Dermatoses ocupacionais são problema de saúde pública no Brasil, aponta pesquisadora

Publicada em
 
 
 

O último Encontros do Cesteh - uma série de debates organizados pelo Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP/Fiocruz) -, discutiu a Epidemiologia das dermatites de contato relacionadas ao trabalho em um serviço especializado. Na ocasião, a dermatologista do ambulatório do Cesteh/ENSP, Maria das Graças Mota Melo, apresentou a pesquisa fruto de sua tese de doutorado, defendida no Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia em Saude Pública da ENSP. Orientada pelo pesquisador do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos da Escola, Iuri Costa Leite, a pesquisa analisou aspectos epidemiológicos das dermatites de contato relacionadas ao trabalho e do eczema das mãos nos pacientes atendidos no Cesteh/ENSP, no período de 2000 a 2014.

No estudo, foram verificados os fatores sociodemográficos e clínico associados às ocupações mais frequentemente atendidas, assim como os sensibilizantes mais comumente detectados nesses profissionais. Maria das Graças comenta que é considerada Dermatose Relacionada ao Trabalho (DRT) toda alteração das mucosas, pele e seus anexos que seja direta ou indiretamente causada, condicionada, mantida ou agravada por agentes presentes na atividade ocupacional ou no ambiente de trabalho. “A prevalência das DRTs é de 20 a 70% das doenças ocupacionais. E, ainda, as dermatites de contato representam 90% das dermatoses relacionadas ao trabalho”, descreveu a dermatologista.


Além de estudar aspectos epidemiológicos das dermatites, a pesquisa buscou também determinar os fatores sociodemográficos e clínico associados às dermatites de contato relacionadas ao trabalho e ao eczema das mãos ocupacional nessa população; bem como identificar as ocupações mais frequentemente associadas à dermatite de contato e ao eczema das mãos. O resultado do estudo foi apresentado no formato de dois artigos. O primeiro deles analisou o perfil sociodemográfico e clínico dos pacientes com dermatite de contato ocupacional atendidos no ambulatório do Cesteh/ENSP de 2000 a 2014. Já o segundo artigo analisou os aspectos clínicos e a relação com o trabalho do eczema das mãos, no mesmo período.

Foram analisados 560 pacientes com teste de contato conclusivo, sendo 60,2% mulheres e 39,8% homens. Em relação ao nexo ocupacional, a pesquisa apontou a seguinte questão: dos 560 pacientes avaliados, 289 apresentaram Dermatite de Contato Ocupacional (DCO) e 271 não ocupacionais. “A pesquisa apontou ainda ter sido a frequência de casos ocupacionais próxima de não ocupacionais. Entre os pacientes com Doença Ocupacional (DO), a prevalência do sexo masculino foi maior, além de predomínio de escolaridade mais baixa, por serem atividades com menor exigência de qualificação”, explicou.

A prevalência de cor/raça foi de pretos e pardos devido ao perfil das profissões. O estudo identificou os grupos profissionais e os principais alérgenos com alto risco para dermatite de contato ocupacional nessa população, além de contribuir com informações para implementação de ações e políticas na Gestão da Saúde do Trabalhador.

Aspectos clínicos e a relação com o trabalho do eczema das mãos

De acordo com a pesquisadora, o Eczema das Mãos (EM) é uma das mais comuns desordens dermatológicas, representando 80% das Dermatites de Contato Ocupacional. Ele é causado por fatores exógenos e endógenos e tem prevalência entre adultos na população geral. “Estima-se que entre 2 e 10% da população desenvolverá Eczema das Mãos”, ressaltou ela. O artigo descreve seis tipos clínicos de EM, sendo eles: eczema das mãos crônico fissurado; eczema das mãos vesiculoso recorrente; eczema palmar hiperceratótico; pulpite; eczema das mãos interdigital; e eczema das mãos numular.

No estudo, foram analisados 560 pacientes com teste de contato conclusivo. Desses, 276 (49,3) apresentaram eczema das mãos, sendo 200 ocupacionais e 76 não ocupacionais. Dos 200 casos ocupacionais, a prevalência foi maior em mulheres (110) do que em homens (90). Segundo a pesquisadora, 72,5% dos pacientes apresentam Eczema das Mãos Ocupacional (EMO), não havendo diferença significativa entre os sexos quanto ao nexo ocupacional do EM. A pesquisadora falou também sobre a questão do EMO e o uso de luvas, citando as profissões de maior prevalência entre os casos de EMO. São eles: relacionadas à limpeza, 69 (34,5%); construção civil, 34 (17%); cozinheiro, 10 (5%); atividades domésticas, 10 (5%).

Os resultados do estudo apontam para o fato de que as dermatites de contato se destacam em relação às dermatoses ocupacionais, dentre elas o Eczema das Mãos. Para a pesquisadora, a implementação de serviços de dermatologia relacionada ao trabalho em todo o país é um desafio diante da complexidade que algumas investigações podem assumir. Por fim, Maria das Graças alertou que “os danos à saúde do trabalhador e o impacto socioeconômico decorrente fazem com que as dermatoses ocupacionais sejam um problema de saúde pública no Brasil”.

 

Nenhum comentário para "Dermatoses ocupacionais são problema de saúde pública no Brasil, aponta pesquisadora"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.