15ª CNS em fotos - confira a cobertura fotográfica feita pela equipe da Radis/ENSP

Publicada em
 
 
 

Três profissionais da revista Radis - Carolina Niemeyer, Edu Oliveira e Felipe Plauska -, estão cobrindo a 15ª Conferência Nacional de Saúde, em Brasília, que termina nesta sexta-feira (4/12) e publicando o que de melhor vem ocorrendo no evento através de fotos. Confira, em nossa galeria, as imagens do maior e mais importante evento da saúde pública do país. Vejaos destaques dos dias 3 e 4/12 da 15ª CNS e a cobertura feita pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) no evento.

Acompanhe o trabalho da Radis também pelo Facebook.

15ª Conferência Nacional de Saúde debate ciência e inovação
(Cecilia Lopes - Fiocruz Brasília)

Com a participação do presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Paulo Gadelha, e do professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Norberto Rech, a mesa “Ciência, tecnologia e inovação no SUS” foi um dos destaques desta quarta-feira (2/12), na 15ª Conferência Nacional de Saúde, em Brasília.

Com o auditório lotado, Paulo Gadelha defendeu investimento em ciência, tecnologia e inovação para garantir a consolidação do Sistema Único de Saúde, argumentou sobre a relevância do complexo econômico industrial da saúde e a importância da participação social na ciência e também criticou o ajuste fiscal que atingiu áreas importantes da saúde e da ciência, tecnologia e inovação do país.

O presidente da Fiocruz alertou também para o risco das definições de agendas em um planejamento de apenas quatro anos e citou o programa criado pela Fiocruz em parcerias com outras instituições, o Saúde Amanhã, que apresenta prospecções futuras no campo da saúde, da ciência e tecnologia e da demografia. “A prospecção para a década de 2030 mostra que a quantidade de idosos irá duplicar. Eles serão maioria na população. Essas alterações têm repercussão imensa sobre todo o padrão epidemiológico, carga de doenças e sobre a forma como o cuidado deverá se dar”, disse.

Os casos de microcefalia detectados nas últimas semanas e confirmados pelo Ministério da Saúde e pela Fiocruz foram citados por Paulo Gadelha para exemplificar a importância da ciência, tecnologia e inovação no enfrentamento de doenças e na capacidade de resposta do Estado. “Pelas experiências anteriores, o zika circulava em regiões com pouca população e com manifestações pouco graves. Então, a ideia era de que no Brasil poderia passar sem uma repercussão tão grande para a Saúde Pública. Quando o drama imenso da microcefalia foi associado ao zika, começamos a pesquisar e havia evidências lá atrás da associação do zika com esse problema. As descobertas e as ações que são tomadas a partir disso só são possíveis porque temos ciência e tecnologia”, explicou.

O presidente da Fiocruz classificou de “admirável mundo novo” as tendências da medicina personalizada, que podem impactar o modelo de cuidado e o financiamento do SUS. Trata-se de tecnologias de rastreamento genético para avaliar se a pessoa tem probabilidade ou não de ter uma certa doença. “Ao mesmo tempo em que há um avanço nesse sentido, você coloca pressões de custo e de inequidade sobre como a população vai poder receber essas tecnologias”, assinalou.

Sobre o complexo econômico industrial da saúde associado à ideia de segurança e autonomia estratégica do país, Paulo Gadelha defendeu o papel central do Estado como agente que faz com que haja uma atração entre os setores público e privado, para que a base produtiva nacional necessária para o SUS seja adequada às demandas da população. “A Aids é um caso exemplar, que significou, fundamentalmente, capacidade de produzir no país os antirretrovirais para que fossem dados de maneira universal e gratuita”, lembrou. Gadelha alertou para o caso da oncologia, que necessita de biofármacos monoclonais, medicamento muito utilizado para tratar câncer.

“Se não tivermos capacidade de desenvolver aqui os biofármacos monoclonais, vamos perder essa guerra. E quem vai ter acesso? Quem tem mais dinheiro. Porque o SUS não vai poder fazer isso por falta de base de ciência, tecnologia e produção”, alertou.

Paulo Gadelha também salientou a importância da participação social para direcionar a capacidade de ciência, tecnologia e inovação para as necessidades da população. Apresentou dados de uma pesquisa do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz que mostra o grande interesse da população em saúde e medicina. “Precisamos que a população se aproprie, possa interferir e que em muitos casos seja co-produtora do conhecimento. Se a população não estiver incorporada nos processos de definição de políticas e na co-produção de conhecimento, continuaremos falando de uma ciência descolada da sociedade”, comentou.

Ao fim de sua apresentação, o presidente da Fiocruz criticou o Congresso Nacional e o ajuste fiscal, mas não deixou de lembrar os avanços alcançados, como a Emenda Constitucional 85/15 e a Lei de Biodiversidade, principalmente com relação à repartição de benefícios. “Por incrível que pareça nós tivemos avanços e isso só foi possível pela intensa mobilização de pessoas e instituições”, finalizou. Leia mais.

EPSJV na 15ª CNS

Confira a cobertura feita pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) na 15ª CNS.

Movimentos sociais fazem manifestação para protestar contra uso de agrotóxicos pelo agronegócio


Protestos de movimentos sociais marcam ato em defesa do SUS na abertura da 15ª CNS


Aplausos e vaias deram o tom da mesa de abertura da 15ª CNS


Ministro é vaiado na abertura da CNS ao propor parcerias público-privadas


Em evento paralelo à 15ª CNS, movimentos sociais debatem saúde das populações do campo, floresta e águas


‘Estão querendo nos calar’


Investimento na formação significa qualidade no cuidado em saúde


Injustiças e distorções


Falta de regulamentação da comunicação prejudica o SUS


Outras notícias:

Movimento Popular leva discussão sobre o uso excessivo de Agrotóxicos para a 15ª CNS


Práticas integrativas no SUS: ações complementares, ampliadas e de autocuidado


Acompanhe ao vivo a plenária final da 15ª Conferência de Saúde


Plenária da 15ª Conferência é instalada com a defesa da democracia


Documento assinado nesta quinta-feira prevê “Plano de ação integral à saúde” para população do campo


Políticas de Equidade e diversidade de sujeitos são debatidos na 15ª CNS

Nenhum comentário para "15ª CNS em fotos - confira a cobertura fotográfica feita pela equipe da Radis/ENSP"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.