Direitos Humanos e Povos Indígenas: seminário começa na terça-feira (24/11)

Publicada em
 
 
 

Seguem abertas as inscrições para o IX Seminário Internacional de Direito e Saúde e XIII Seminário Nacional Direito e Saúde, que acontecerá nos dias 24 e 25 de novembro, na ENSP/Fiocruz. Promovido pelo Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP), o seminário traz o tema Direitos Humanos e Povos Indígenas para destacar a necessidade de melhores condições de saúde, educação e saneamento e também protestar contra as mortes decorrentes das lutas pela posse da terra e a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215. “Nosso evento trará para a academia indígenas que estão falando sobre a situação das suas terras, da saúde e da educação não só para os movimentos sociais, mas também para as instituições de saúde, ensino e pesquisa. Vivemos um momento importante de luta contra a PEC 215, e a posse da terra está totalmente imbricada às questões de saúde e bem estar dos povos indígenas”, afirmou a pesquisadora Regina Erthal, uma das coordenadoras do evento. Faça já sua inscrição.
 
Segundo reportagem da BBC Brasil, baseada em um levantamento da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), de 2007 a 2014 mais de 2.300 índios morreram por causas externas (acidentes ou violência) no país, dos quais mais de 800 foram vítimas de homicídio. 
 
Para Maria Helena Barros, chefe do Dihs/ENSP, cabe à Fiocruz trabalhar com a questão dos direitos humanos. Principalmente das populações mais vulneráveis. "Já trabalhamos com a população indígena há alguns anos, mas dois aspectos nos levaram a optar pelo tema neste ano. O primeiro deles é que a Fiocruz precisa se impor diante dos massacres que acometem essa população nos últimos anos, como no caso dos indígenas da etnia Guarani-Kaiowá, em Mato Grosso do Sul. É nosso dever lidar com a saúde desses povos. O segundo ponto, que é fortemente repudiado pela população indígena, diz respeito à PEC 215”, explicou Maria Helena, também coordenadora do seminário. 
 
A PEC 215 inclui dentre as competências exclusivas do Congresso Nacional a aprovação de demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios e a ratificação das demarcações já homologadas. Na opinião da coordenadora do Dihs, esse tipo de ação pode trazer decisões tendenciosas, principalmente no que diz respeito às bancadas do Congresso.
 
"O Congresso Nacional tem aprovado pautas que vão de encontro aos interesses da população, como a proposta de Redução da Maioridade Penal, a aprovação da Lei Antiterrorismo que dá brecha à criminalização dos movimentos sociais, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 395/14 que permite às universidades públicas cobrarem por cursos de pós-graduação lato sensu, extensões e mestrado profissional e o Projeto de Lei 5069/13, que, entre outras medidas, dificulta o aborto legal e restringe a venda de medicamentos abortivos no país (o projeto também acrescenta a necessidade de exame de corpo de delito para atendimento pelo SUS em casos de estupro). Como se não bastasse tudo isso, o Congresso possui bancadas, como a ruralista e a do agronegócio, por exemplo, que representam o interesse próprio de parlamentares ou de poderosos lobbies por trás deles. Como acreditar na demarcação das terras indígenas dentro de um critério de justiça e respeito à cultura desses povos?”, questionou Maria Helena.
 
 
Com base nessas questões, as mesas do IX Seminário Internacional e XIII Seminário Nacional de Direito e Saúde foram compostas de temas que buscam o olhar dos povos indígenas latino-americanos, o recrudescimento das políticas anti-indígenas, a educação indígena e a saúde mental desses povos. A abertura do seminário terá presença do presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, do diretor da ENSP, Hermano Castro, e dos representantes das instituições parceiras do Seminário. A programação do evento ainda pretende arrecadar assinaturas dos trabalhadores da Fiocruz contra a PEC 215.
 
“Propomos um seminário com representantes dos movimentos sociais indígenas e tivemos o cuidado de colocá-los nas nossas mesas de debate. Buscamos a construção de uma ciência séria e comprometida com a sociedade, entendendo, antes de tudo, que os direitos humanos são fundamentais. Convocamos alunos, colegas de trabalho e todos aqueles que têm compromissos com os direitos humanos”, afirmou Maria Helena.
 
O Dihs/ENSP
 
A edição de 2015 do Seminário marca a primeira atividade internacional do recém-criado Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural da ENSP, concebido democraticamente a partir do novo Regimento Interno da ENSP.
 
Faça sua inscrição aqui.
 
Instituições Parceiras: Escola da Magistratura do Estado do Rio Janeiro (EMERJ), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RJ), Caixa de Assistência dos Advogados do Rio de Janeiro (CAARJ), Defensoria Pública Geral do Estado do Rio de Janeiro (DPGE), Associação Brasileira de Antropologia (ABA), Museu Nacional (UFRJ), Centro Payson de Desenvolvimento Internacional - Universidade de Tulane e Centro de Estudos Sociais (CES/Universidade de Coimbra/PT).

 

Nenhum comentário para "Direitos Humanos e Povos Indígenas: seminário começa na terça-feira (24/11)"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.