BH debate saúde e ambiente com foco nos movimentos sociais

Publicada em
 
 
 

De 19 a 22 de outubro, acontecerá, em Belo Horizonte (MG), a segunda edição do Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente (Sibsa), organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), por intermédio do Grupo Temático de Saúde e Ambiente. Com a proposta de ser diferente das atividades científicas tradicionais, o evento será marcado pela grande participação dos movimentos sociais, o que proporcionará o debate de questões ambientais com base nas experiências de pessoas e populações que sofrem com elas, e não apenas sob a ótica de quem as estuda. 


Durante os quatro dias de discussões, temas como justiça ambiental, agroecologia, conflitos territoriais e saúde, ecologia de saberes, produção compartilhada do conhecimento, entre muitos outros, serão debatidos por pesquisadores e movimentos sociais. Segundo o presidente do II Sibsa e diretor da ENSP, Hermano Castro, o grande ineditismo do simpósio está em ouvir os movimentos. A ENSP seguirá sua tradição de participar dos congressos da Abrasco; e a cobertura jornalística da atuação da Escola poderá ser acompanhada no Informe ENSP.

Com o tema Desenvolvimento, Conflitos Territoriais e Saúde: Ciência e Movimentos Sociais para a Justiça Ambiental nas Políticas Públicas, o Sibsa tem propósito de congregar e propiciar o diálogo entre as comunidades científica e acadêmica, gestores, profissionais de saúde e movimentos sociais em torno dos conflitos territoriais em curso no país, seus desafios e alternativas para a garantia do direito à saúde e da justiça ambiental, na perspectiva da ciência, das políticas públicas e da ação política da sociedade. Para isso o Simpósio foi dividido em três grandes eixos temáticos, que serão apresentados em cada um dos dias - desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais; função social da ciência, ecologia de saberes, e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento;  e direitos, justiça ambiental e políticas públicas -, que visam compartilhar diferentes saberes e buscam construir uma realidade ambiental, na qual movimentos sociais e academia, com posturas ideológica e política claramente assumidas, vão afirmar a necessidade de discutir modelos de Estado e desenvolvimento que permitam os ideais de justiça ambiental, contrapondo-se aos modelos comumente analisados, espelhados na realidade estrangeira e não na brasileira.

A participação da ENSP no Sibsa começa nos cursos e oficinas pré-Simpósio, a partir das 8 horas, do dia 19 de outubro. Formação e Qualificação Profissional no campo da Saúde, Trabalho e Meio Ambiente será o tema da oficina coordenada pela pesquisadora do Centro de Estudo em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh), Rita Mattos e pelo Vice-diretor de Escola de Governo, Frederico Peres. A chefe do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental (DSSA), Clementina Feltmann e a também pesquisadora do DSSA, Simone Cynamon Cohen coordenarão a oficina Saúde Urbana: Desenvolvimento e Cidadania na preparação das cidades brasileiras para grandes eventos internacionais. A pesquisadora do Departamento de Endemias (Densp), Marcia Chame coordenará a oficina Impactos Socioambientais, emergências de zoonoses silvestres e conservação da biodiversidade:  desafios para a saúde do futuro.

Para dar as boas-vindas aos participantes, a conferência de abertura do Sibsa contará com a presença do francês Jean Pierre Leroy. Sob a coordenação do presidente do Simpósio, Hermano Castro, Leroy falará sobre Direitos, Justiça ambiental e políticas públicas. O filósofo chegou ao Brasil na década de 1970. Naquela época, era padre e atuou como religioso na região do Pará. Mestre em Educação pelo Instituto de Estudos Avançados em Educação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), foi coordenador do Programa de Pesquisa sobre Campesinato em Áreas de Fronteira, Assessor da Comissão Pastoral da Terra e do Programa Nacional Fase Amazônia. Atualmente é Membro da Rede Brasileira de Justiça Ambiental. A conferência de abertura está marcada para às 19h30 de domingo, dia 19 de outubro.

No primeiro dia debates (20/10), serão promovidos em torno do tema do eixo 1: Desenvolvimento e conflitos territoriais: Fórum de Diálogos de Saberes: a luta pela saúde e ambiente nos territórios. A função social da ciência, ecologia de saberes, e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento é o tema do eixo dois que subsidiará as discussões do segundo dia de atividades, terça-feira, 21 de outubro. No terceiro e último dia de simpósio os debates giraram em torno do tema do eixo 3 Direitos justiça ambiental e política públicas. Em todos os dias de eventos pesquisadores, professores e alunos da ENSP irão apresentar, coordenar e moderar diversas atividades que compõem o Sibsa. Confira a programação completa aqui.

Ao todo, trinta entidades dos movimentos sociais estarão presentes para discutir os mais diversos temas do Sibsa. Mantendo a tradição dos eventos da Abrasco, a programação cultural agitará a atividade durante todos os dias. Ao final do II Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente será realizada a plenária de encerramento, que contará com a participação do presidente do evento e diretor da ENSP, Hermano Castro, ocasião em que será realizada a aprovação da Carta de Belo Horizonte, além da discussão da criação de uma Rede de Saúde e Ambiente.

 

Nenhum comentário para "BH debate saúde e ambiente com foco nos movimentos sociais"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.