Vida, saúde e trabalho nas escolas públicas

Publicada em
 
 
 

Visando estimular o debate sobre as relações entre a vida, a saúde e o trabalho nas escolas públicas brasileiras, produzindo encontros virtuais entre os interessados no tema - em especial trabalhadores de educação e pesquisadores e profissionais de serviços de saúde -, a ENSP acaba de lançar o site Encontros sobre Vida, Saúde e Trabalho nas Escolas Públicas - Cap Escola, que busca ampliar esses diálogos, sendo fruto de uma parceria entre grupos de pesquisa da ENSP, Uerj, UFF, UFPB, UEPB e Unirio. Esse projeto está sob a responsabilidade da pesquisadora do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) Jussara Brito, juntamente com a professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) Mary Yale Neves.

 

O projeto nasceu de uma experiência anterior junto a trabalhadores de escolas públicas, desenvolvida no estado do Rio de Janeiro e em João Pessoa (PB): o Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas Públicas. A formação proposta por esse programa se baseou na constituição de Comunidades Ampliadas de Pesquisa (CAPs), onde o diálogo entre saberes acadêmicos e práticos é a principal ferramenta para a produção de conhecimento e a transformação das situações nocivas à saúde.

 

De acordo com Jussara, com esse site buscou-se criar um espaço propício à reflexão e à invenção de diferentes formas de ação dirigidas à construção da saúde dos trabalhadores das unidades escolares públicas. “Isso porque entendemos que a saúde não pode ser considerada como um estado: a saúde é uma conquista permanente”, ressaltou ela, afirmando que a ideia é que essa página dinamize as conexões de uma rede nacional e virtual de formação, notícias, análises e reflexões sobre diferentes aspectos da saúde desses trabalhadores. “Desejamos contribuir para uma renovação dos sentidos que são atribuídos ao trabalho de professores, merendeiras, serventes, vigias, porteiros, técnicos em educação, diretores e de todos os trabalhadores que se mobilizam para que a escola tenha vitalidade e cumpra seus objetivos”, detalhou.
 


O site traz referências de leituras, fóruns para discussão, galeria de fotos e muitas outras coisas. “Aqui também podem ser encontrados artigos, trabalhos acadêmicos, relatórios e textos elaborados por pesquisadores e estudantes vinculados à equipe responsável por esse site. Há ainda um espaço para divulgação de contribuições de outros colegas e grupos que consideramos relevantes”, explicou Mary Yale. Além disso, ele conta com um ambiente onde são disponibilizados materiais produzidos no âmbito do Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas Públicas – aprovado e financiado pelo Fundo de Igualdade de Gênero da Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional (FIG/Cida) – que visa, simultaneamente, melhor compreender e transformar o trabalho em suas relações com a saúde, considerando a transversalidade das relações sociais de gênero, isto é, sua influência em todos os espaços sociais. Destaca-se nesse ambiente o vídeo Trabalhar na escola? Só inventando o prazer... e o convite aos trabalhadores de escola que visitam o site para apresentar sua visão acerca dos temas que constam dos Cadernos de textos, que foram desenvolvidos com o objetivo de disparar e subsidiar o diálogo entre pesquisadores e trabalhadores de escolas.

 

Outra contribuição vem do Observatório Geral, espaço em que se pretende acompanhar os fatos, acontecimentos e discussões, como iniciativas sindicais e políticas, ações governamentais, eventos, atividades acadêmicas, reportagens e textos publicados em jornais e revistas, análises de conjuntura, além de comunicações enviadas por trabalhadores e membros da equipe.

 

Jussara contou que o ambiente CAP Escola permite que os seus visitantes se manifestem sobre determinadas questões-temas e que, entre elas, há a expectativa de que venham a produzir formas de ação que visem à afirmação da vida e da saúde em seus locais de trabalho.

 

A Rede de Membros do CAP Escola é um ambiente reservado aos trabalhadores de escola que já participaram do Programa de Formação e que tenham interesse em continuar dialogando com os demais membros. Isso se dá por meio de relatos de ações exitosas ou não e de registros de problemas de saúde e trabalho envolvendo os diversos protagonistas das atividades realizadas nas escolas públicas.

 

Entre os parceiros para a realização desse projeto estão o Programa Estratégico de Apoio à Pesquisa em Saúde, da Fiocruz, o FIG/Cida, a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

 

Confira a galeria de fotos especial do site CAP Escola.

Nenhum comentário para "Vida, saúde e trabalho nas escolas públicas"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.