Doenças crônicas e violência são desafios para nosso país

Publicada em
 
 
 

Isabela Schincariol

"Oitenta por cento dos óbitos por doenças crônicas não transmissíveis ocorrem em países de baixa ou média renda", afirmou Gulnar Azevedo e Silva durante a apresentação do artigo Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges, que integra o volume especial sobre a saúde dos brasileiros da revista inglesa Lancet. A segunda parte do Centro de Estudos comemorativo dos 57 anos da ENSP contou também com a presença de Michael Eduardo Reichenheim, cuja apresentação abordou o efeito, avanços e desafios da violência no Brasil. Segundo ele, no país, há um legado desfavorável de exclusão, desigualdade, pobreza, impunidade e corrupção.

ceensp_57anos_gulnar_mesa_capa.jpgDe acordo com Gulnar, doenças cardiovasculares, diabetes, câncer e doenças respiratórias são desafios para o mundo, sendo os principais fatores de risco o fumo, o uso prejudicial de álcool, sedentarismo e alimentação pouco saudável. Em 1930, a mortalidade por doenças infecciosas representava 46% do total. Em 2007, elas caíram para 10%. Porém, em contrapartida, as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) passaram a representar 72% da mortalidade no Brasil. Mas, em uma análise de 1996 a 2007, foi observada a diminuição das taxas de mortalidade por doenças cardiovasculares e respiratórias crônicas, provavelmente como resultado do controle do tabagismo e do maior acesso à atenção primária, disse ela. Vale ressaltar que todos os dados são baseados em sistemas de informações e pesquisas.

Analisando a carga de doença e usando o indicador Daly (Disability Adjusted Life of Years) baseado na soma dos componentes Anos de Vida Perdidos por Morte Prematura (YLL) e Anos Vividos com Incapacidade (YLD) -, Gulnar apontou que as DCNT são responsáveis por 66% do total de Daly, ou seja, dos anos de vida saudáveis que foram perdidos. Deste número, 19% são representados por neuropsiquiatrias, seguidos de 13% de doenças cardiovasculares, 8% de doenças respiratórias crônicas, 6% de câncer, 6% de doenças musculoesqueléticas e 5% de diabetes, relatou, dizendo ainda que as DCNT são as principais fontes da carga de doença no Brasil, e políticas importantes para sua prevenção e controle têm sido implementadas no país.

A doença crônica não é a que se desenvolve na vida adulta. Ela começa na gravidez, na primeira infância, na adolescência... E é a soma desses riscos que vão produzir a doença, falou. Portanto, na opinião de Gulnar, o SUS precisa ser fortalecido para oferecer assistência aos portadores de DCNT mediante modelos de atenção a condições crônicas com base em experiências locais; expandir e qualificar a Estratégia Saúde da Família; ampliar o acesso a medicamentos custo-efetivos; viabilizar maior comunicação entre a atenção básica e outros níveis de cuidado; e aperfeiçoar a detecção imediata e o tratamento de indivíduos com cânceres potencialmente curáveis.

Gulnar concluiu dizendo que tendências desfavoráveis na maioria dos principais fatores de risco mostram a necessidade de ações adicionais e oportunas de promoção e prevenção da saúde, especialmente na forma de legislação e regulamentação, e daquelas que permitem cuidados crônicos de qualidade. Além disso, o fortalecimento dos vínculos entre o governo, as instituições acadêmicas e a sociedade civil facilitará a resposta da sociedade ao desafio das DCNT.ceensp_57anos_mesa_centro.jpg

Violência é a sexta maior causa de internações hospitalares e, até 2007, representava 12,5% dos óbitos no país

Para a apresentação do artigo Violence and injuries in Brazil: the effect, progress made, and challenges ahead, Michael Eduardo Reichenheim trouxe dados de homicídios, violência doméstica, lesões e óbitos relacionados ao trânsito. De acordo com ele, a violência é um problema de saúde pública importante no Brasil por ser fonte de uma grande parcela das morbidades e mortalidades, que resultam em altos custos individuais e coletivos. Homens jovens, negros e pobres são as principais vítimas e os principais agressores em relação à violência comunitária, ao passo que mulheres e crianças negras e pobres são as principais vítimas da violência doméstica. Contudo, além dos determinantes socioculturais, parte da violência no Brasil tem sido associada ao uso indevido de álcool, às drogas ilícitas e à ampla disponibilidade de armas de fogo, comentou ele.

Em relação aos homicídios, as taxas que vinham subindo desde 1990 começaram a decrescer desde o início dos anos 2001. Os números mostram grandes diferenças regionais. Nordeste, Norte e Centro-Oeste apresentam os maiores índices, com 36,8%, 34,1% e 29,6% respectivamente. Sobre a violência doméstica, uma média de diferentes estudos entre os anos de 1995 e 2010 revela as incidências entre parceiros íntimos (22,8%), contra criança e adolescente (15,7%) e contra os idosos (10%). Estamos na média da América Latina, porém muito abaixo de países como EUA, Inglaterra e Holanda. É preciso refletir sobre o que estamos vivendo dentro de casa e não ficarmos apenas estarrecidos; observar como isso repercute em relação a outras violências não domésticas e começar a agir, disse Michael.

ceensp_57anos_michael_dir.jpgSobre os óbitos relacionados ao trânsito, Michael comentou que houve declínio após 1998 e uma estagnação subsequente. Apesar do declínio, pedestres ainda são as maiores vítimas. Segundo ele, entre os principais fatores de risco estão o desrespeito às normas de segurança, direção associada ao uso e efeito de álcool, estresse, fiscalização precária etc. Ele alertou que, além das consequências físicas e psicológicas, isso gera enormes custos para o sistema. Michael finalizou ressaltando que, em resposta aos maiores problemas de violência e lesões, o Brasil fez grandes avanços em termos de legislação e planos de ação. Entretanto, o seu principal desafio é avaliar esses avanços para identificar, estender, integrar e manter as experiências bem-sucedidas.

A matéria sobre o artigo Health conditions and health policy innovations in Brazil: the way forward, apresentado pela coordenadora do Programa de Saúde Pública e pesquisadora do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos da ENSP, Maria do Carmo Leal, será publicada na edição de terça-feira (20/9) do Informe ENSP.

Nenhum comentário para "Doenças crônicas e violência são desafios para nosso país"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.