ENSP entrega Prêmio Destaque 2010 e homenageia Carlos Tobar

Publicada em
 
 
 

selo_ENSP_56_anos.jpgA solenidade da quinta edição do Prêmio Destaque ENSP será realizada na quinta-feira (16/9) como parte das comemorações dos 56 anos da Escola. Quatro categorias serão premiadas: Assistência, Ensino, Gestão e Desenvolvimento Institucional e Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. O Prêmio foi criado em 2006 e tem o objetivo de reconhecer os projetos e equipes que contribuem significativamente para o bom desempenho da Escola. Na ocasião, a Direção da Escola prestará uma homenagem ao pesquisador Carlos Tobar, um dos fundadores do Centro de Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), que morreu no dia 30 de agosto. A cerimônia está marcada para as 9 horas no auditório térreo da ENSP e será aberta ao público.

Prêmio Destaque ENSP 2010

Assumindo que a vocação da ENSP é múltipla na contribuição para um sistema de saúde mais eficiente para a população brasileira, a ideia do prêmio é, a cada ano, reconhecer profissionais ou grupos que fazem diferença nas quatro áreas focalizadas. Mais do que o reconhecimento ao mérito ou à produtividade dos profissionais da ENSP, o prêmio pretende valorizar a capacidade de inovação e agregação de valor ao que a Escola faz.

Conheça os vencedores:

Categoria Ensino

Curso de especialização em Saúde Pública

O curso mais tradicional da ENSP foi criado em 1926 e faz parte da grade curricular da Escola desde 1954. Tem por objetivo introduzir o aluno no campo da saúde coletiva e gerar competências gerais e específicas para a sua atuação como sanitarista. Busca ainda apresentar e refletir sobre conceitos estruturantes correspondentes às subáreas constitutivas da saúde pública. O curso capacita o aluno para a identificação de problemas prioritários na área da saúde, buscando soluções criativas.

Registros históricos relatam que, nos anos 20, o curso era denominado de Higiene e Saúde Pública, ligado ao Instituto Oswaldo Cruz (IOC). Ao longo das décadas, foi ganhando vários formatos até o surgimento da Escola Nacional de Saúde Pública, em 1954. O curso de especialização em Saúde Pública cumpre um papel muito importante ao longo da história. Um deles é responder questões relacionadas à formação em saúde pública. Historicamente, existiam graduações no campo da saúde que incorporavam o compromisso com a saúde pública de forma fragilizada. Com isso, o mercado contava com profissionais com pouca experiência no conhecimento e na prática em saúde pública. O curso de especialização passa a dar uma formação inicial em saúde publica para esses profissionais. Ao longo dos anos, surgiu a ideia de que não havia mercado para o profissional especializado em saúde pública.

Em 1998, o curso mais antigo da ENSP deu início à reformulação do seu modelo de oferta. Desde então, a procura tem crescido a cada ano. Em 2008, a especialização bate seu recorde de inscrições, atingindo a marca de 588 candidatos inscritos. Além disso, as diferentes áreas de formação que buscam a saúde pública e a grande quantidade de recém-formados que procuram o curso são também destaques desta especialização. Durante mais de doze anos de transformações, o curso vem se aprimorando e se adaptando às novas necessidades da vida moderna, com significativas mudanças na ementa e na grade de horários.

Atualmente, o curso é coordenado pelos pesquisadores Marina Ferreira Noronha, José Inácio Jardim Motta e Pablo Dias Fortes.

Categoria Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas

O I Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas fez uma radiografia detalhada e abrangente sobre as condições de vida e de consumo dos índios brasileiros. De acordo com o estudo - coordenado pelos pesquisadores Carlos Coimbra, Ricardo Ventura e Andrey Cardoso, da ENSP/Fiocruz, e Bernardo Horta, da Universidade Federal de Pelotas -, a hipertensão arterial já se coloca como uma questão de saúde importante para as mulheres indígenas, atingindo mais de 15% delas, assim como a obesidade, que atinge mais de 50%.

As crianças, por sua vez, apresentam desnutrição, diarreia, anemia e carteira de vacinação desatualizada. Com esse inquérito, foi possível produzir um importante conjunto de dados sobre o perfil dos povos indígenas no Brasil, com aplicação direta no delineamento de políticas públicas em saúde, comentou Coimbra.

O inquérito nacional é uma realização da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), com apoio do Ministério do Desenvolvimento Social de Combate à Fome. Foi financiado pelo Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) e executado por meio de uma parceria entre a Abrasco e o Instituto de Estudos Ibero-Americanos, da Universidade de Gotenburgo, na Suécia. O inquérito teve a participação de pesquisadores de dezenas de instituições brasileiras. Na ENSP, a equipe também contou com a participação de alunos dos programas de pós-graduação da Escola e egressos.

Categoria Assistência

Sistema de Vigilância Epidemiológica da Tuberculose Multirresistente (Sistema TBMR)

O Sistema de Vigilância Epidemiológica da Tuberculose Multirresistente (TBMR) foi desenvolvido pelo Centro de Referência Prof. Hélio Fraga/ENSP em parceria com o Projeto MSH (Management Sciences for Health) e apoio da USAID (United States Agency for International Development). Permite a notificação e acompanhamento de todos os casos de TBMR, o gerenciamento do envio e estoque dos medicamentos, e a pesquisa e emissão de relatórios epidemiológicos e operacionais. Atualmente, o sistema está sofrendo uma extensão para ampliar o universo de pacientes notificados, incluindo todos os casos de resistência e retratamento no Brasil.

Com a integração do Centro de Referência Professor Hélio Fraga à estrutura da ENSP/Fiocruz, o Sistema de Vigilância Epidemiológica da Tuberculose Multirresistente (Sistema TBMR) migrou para a área de tecnologia da informação da Escola, ganhando mais velocidade no acesso e na inclusão de dados. O objetivo do sistema é estabelecer condutas e definir fluxos para notificação, análise de informação, diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos casos diagnosticados, além de medidas preventivas e o controle dos contatos.

A correta assistência e o acompanhamento dos pacientes de tuberculose são os maiores desafios por se tratarem muitas vezes de quadros graves, de alta letalidade e com histórico de dificuldades de aderência a tratamentos anteriores. Sem uma proposta abrangente de assistência, o tratamento desses pacientes teria uma evolução lenta, levando à transmissão do bacilo resistente, com o possível adoecimento de familiares e outros membros da comunidade e, na maioria dos casos, ao óbito.

Categoria Gestão e Desenvolvimento Institucional

Programa de apoio à pesquisa, desenvolvimento e inovação em saúde pública (Inova ENSP)

O Inova-ENSP é um programa de apoio à pesquisa, desenvolvimento e inovação em saúde pública, que tem o objetivo de incentivar a implantação de uma estratégia institucional voltada para o fortalecimento da dimensão da pesquisa na ENSP, contribuindo, dessa forma, para o reposicionamento da Escola como protagonista no que diz respeito a questões da esfera do Estado e de políticas públicas.

Segundo a vice-diretora de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da ENSP, Margareth Portela, responsável pelo Projeto Inova-ENSP, "o programa de pesquisa representa um esforço institucional de agregação de iniciativas e de expertise para produção de conhecimento relevante". Essa ação, de acordo com ela, vai priorizar áreas temáticas que reforcem a identidade da ENSP na dimensão da pesquisa, como também dará prioridade aos projetos que estejam associados à pós-graduação da Escola por meio da participação de alunos de mestrado e doutorado.

Em paralelo, o atual programa de pesquisa da ENSP constitui-se em um estímulo a melhorias no desempenho dos grupos de pesquisa, visando à transformação desses em células institucionais que reúnam ensino, produção de conhecimento e cooperação. Em março de 2010, dos 36 projetos apresentados, foram selecionados 15 projetos inovadores em saúde pública, após avaliação de um comitê científico composto de 16 bolsistas de produtividade CNPq e ratificados por um comitê assessor formado por quatro pesquisadores, todos externos à Escola.

Confira, abaixo, a listagem completa dos 15 projetos selecionados.

Temáticos:

Desenvolvimento econômico, saúde e ambiente

Sandra de Souza Hacon Mudanças ambientais globais e efeitos nos ecossistemas e na saúde da região do arco do desmatamento uma análise integrada para a bacia do Rio Madeira

Desigualdades sociais e saúde

Paulo Cesar Basta Desigualdades sociais e tuberculose: distribuição espacial, fatores de risco e farmacogenética na perspectiva da etnicidade

Formulação, implementação e avaliação de políticas

Maria do Carmo Leal Inquérito epidemiológico sobre as consequências da cesariana desnecessária no Brasil

Organização de sistemas e serviços de saúde

Monica Andrade Fortalecimento do sistema de saúde para o controle da tuberculose em população indígena

Tendências e cenários de saúde no Brasil

Maria Cecília de Souza Minayo É possível prevenir a antecipação do fim? Suicídio de idosos no Brasil e possibilidades de atuação do setor saúde

Universais:

Ana Maria Cheble Bahia Braga Estudo propositivo para implantação de ações de vigilância em fábricas de cimento no Brasil

Carlos E. A. Coimbra Jr. Mudanças sócio-ambientais, saúde e nutrição entre o povo indígena Xavante do Brasil central

Francisco José Roma Paumgartten Avaliação dos riscos à saúde da exposição a agentes químicos: desregulação endócrina, carcinogênese e modulação do metabolismo de zenobióticos

Inês Echenique Mattos Condições de saúde de idosos institucionalizados: uma proposta de avaliação de necessidades e utilização da classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde para planejamento de ações de prevenção e reabilitação

Jeni Vaitsman Análise de políticas públicas e de saúde no Brasil
Marilene de Castilho Sá Avaliação de experiências inovadoras no âmbito da organização e gestão da atenção em hospitais do SUS

Marina Ferreira de Noronha Avanços para a conta-satélite de saúde: características econômicas da produção de serviço de saúde privados e do consumo de serviços de saúde pelas famílias

Monica Siqueira Malta O impacto do acesso gratuito à terapia antirretroviral no Brasil: análise de sobrevida

Rosalina Jorge Koifman Qualidade de vida subsequente ao tratamento do câncer de colo uterino

Sergio Koifman Epidemiologia genômica do câncer de mama

Prêmio Destaque foi lançado em 2006

Em 2006, na primeira edição do Prêmio Destaque ENSP, os vencedores de cada categoria foram: Ensino - Paulo Chagastelles Sabroza (Densp); Pesquisa - Luiz Antônio Camacho (Demqs); Gestão - Carlos Coimbra Júnior (Cadernos de Saúde Pública); e Assistência - Celina Santos Boga Marques Porto (CSEGSF).

Em 2007, os vencedores de cada categoria foram: Gestão - Pedro Barbosa; Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico - Maria Eliana Labra; Ensino- Adolfo Horácio Chorny; e Assistência - Janete Lima Reis.
Em 2008, foram quatro as equipes premiadas: Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto (Projeto Elsa) - categoria Pesquisa; Curso de Especialização em Saúde da Família nos Moldes da Residência - categoria Ensino; Coordenação de Comunicação Institucional - categoria Gestão e Desenvolvimento Institucional; e Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria - categoria Assistência.

Em 2009, os vencedores foram: categoria Assistência - Serviço de Audiologia do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP); categoria Ensino - Educação a Distância; categoria Gestão e Desenvolvimento Institucional - Serviço de Gestão de Compras e Contratos, da Vice-Direção de Desenvolvimento Institucional e Gestão; categoria Pesquisa - Plano de Monitoramento Epidemiológico do Processo de Implantação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Quem foi Carlos Tobar

O cientista social Carlos Rodolfo Tobar Sanchez faleceu no dia 30 de agosto na Argentina, aos 75 anos. Um dos fundadores do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP/Fiocruz) no fim da década de 80 e da Fundação de Ensino, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da ENSP (Fensptec) no final dos anos 90 atual Fiotec , Tobar se destacava em tudo o que fazia.

Nascido na Argentina e formado em Sociologia pela Universidade Nacional de Buenos Aires, ficou conhecido por sua atuação nas áreas de saúde ambiental e de gestão. Com visão ampla e interdisciplinar das questões humanas, era defensor das causas sociais. Sua permanente luta pela saúde pública e pela igualdade social sempre foi baseada em preceitos éticos e morais.

Em 1961, obteve bolsa integral das Nações Unidas para se incorporar à primeira turma de mestrandos em Sociologia da Flacso, em Santiago do Chile, quando foi aluno de Peter Heintz, Enzo Faletto e Fernando Henrique Cardoso. Retornou à Argentina em 1964 como pesquisador do Centro de Estudos Urbanos e Regionais (Ceur), que primeiro funcionou na cidade de Rosário e, mais tarde, foi incorporado ao Instituto Torcuato Di Tella, em Buenos Aires.

Em 1972, passou a professor com dedicação exclusiva na Universidade Nacional do Comahue, onde criou a faculdade de Ciências Sociais, da qual foi decano. Na ditadura militar, foi suspenso desses cargos, retomando a eles com a volta da democracia, em 1983. A partir de então, começou a desenvolver projetos de pesquisa em saúde coletiva, os quais o levaram à Fiocruz para cursar a Especialização em Planejamento em Saúde.

Estabeleceu-se no Brasil e foi incorporado à Fiocruz em 1995, primeiro, na Diretoria de Planejamento, na gestão do então presidente Sergio Arouca, e, em seguida, como pesquisador do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), onde foi coordenador. Colaborou de forma ativa com a Direção da ENSP, participando de conselhos e comissões, como o Conselho Deliberativo, a Câmara Técnica de Gestão, Infraestrutura e Preservação e a Comissão de Recursos Humanos.

Ainda na ENSP, Carlos Tobar foi chefe de gabinete na gestão de Adauto José de Araújo, de 1994 a 1997. Aposentou-se em 2005, aos 70 anos, como pesquisador do Departamento de Endemias Samuel Pessoa. Na Fiocruz, o sociólogo foi também diretor-administrativo da Fioctec.

Ao se aposentar, retornou à Argentina buscando recuperar a proximidade com seus quatro filhos e netos. Tobar faleceu vítima de doença pulmonar obstrutiva crônica severa (Epoc) após longo período de convalescência.