Abrasco 2010 aponta dilemas e desafios da gestão estadual do SUS

Publicada em
 
 
 

Coordenada pela pesquisadora Elizabeth Artmann (Daps/ENSP), a mesa de debates Gestão do SUS no âmbito estadual: dilemas e desafios reuniu três pontos de vista durante as exposições. Enquanto Maria Alícia Ugá (Daps/ENSP) apresentava um panorama do SUS no Rio de Janeiro, mas que serve de entendimento para o que acontece nos demais estados da federação, João Scatena, da UFMT, falou sobre o desafio da regionalização em saúde e o gestor Heider Pinto abordou a questão do financiamento nas três esferas de governo. Confira os áudios na Biblioteca Multimídia da ENSP.

abrasco2010_mesa_dentro.jpg

O livro A gestão do SUS no âmbito estadual: o caso do Rio de Janeiro, organizado pelos pesquisadores da ENSP Maria Alícia Ugá, Marilene de Castilho Sá, Mônica Martins e Francisco Campos Braga, foi alvo da palestra de Maria Alícia. Ela explicou que a publicação é resultado da parceria da ENSP com a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (Sesdec-RJ) e que detalha a situação do SUS no estado. O trabalho apresenta análises políticas da formulação do SUS, dos Conselhos de Saúde, aborda a construção da Vigilância Sanitária e a necessidade da melhor gestão do trabalho, além de tocar em questões hospitalares, como a complexidade assistencial e a urgência nos hospitais e emergências do Rio de Janeiro.

abrasco2010_maria_alicia_uga_boneco.jpgSegundo Alícia Ugá, um dos principais problemas do SUS no Estado do Rio é o fato de que este não se viu privilegiado na partilha fiscal, resultante da reforma tributária que favoreceu os municípios por meio das transferências da União e dos estados. Por exemplo, em 2003 o Estado do Rio arrecadava 26,6% de seus recursos financeiros, embora a receita disponível para uso ficasse em 24,9%. O oposto acontecia com os municípios, que arrecadavam 4,8% dos recursos e investiam 16,1%, disse, destacando o financiamento como um problema para a saúde.

Outra questão abordada por Alícia é o fato de que, no Brasil, não houve muita preocupação com a regionalização. Essa foi uma proposta com início tardio, conformando-se após sucessivos ciclos de descentralização, que tiveram como foco os milhares de municípios existentes no país, afirmou. Ainda segundo a pesquisadora, no Rio e no Brasil, o SUS tem a necessidade da construção da regionalização como estratégia para redução das desigualdades, promovendo a redistribuição da oferta de serviços, o aumento da resolubilidade da atenção primária e o aumento e a redistribuição dos investimentos.

Regionalização da saúde seria uma possível saída para crise do SUS

abrasco2010_joao_scatena_boneco.jpgO pesquisador da Universidade Federal de Mato Grosso João Henrique Scatena seguiu sua exposição na linha da pesquisadora da ENSP, destacando que a regionalização em saúde é um movimento em curso, uma necessidade e uma possível saída para a crise que o SUS está passando. Segundo ele, o país conta com um esgotamento da descentralização municipal ocorrida nos anos 90, que buscava maior promoção e garantia do acesso universal e equitativo em saúde. O fato é que a descentralização nunca levou em conta as especificidades de cada localidade. Os gestores criavam estratégias de saúde iguais para todas as regiões, e isso não deu certo, disse.

Encerrando a mesa, o diretor da Fundação Estatal de Saúde da Família da Bahia, Heider Pinto, abordou a questão do financiamento no SUS, ressaltando que os estados não possuem papel definido na esfera do SUS, uma vez que não contam com financiamentos suficientes para os programas de saúde e acabam recorrendo a complementos federais. Outro ponto destacado por Heider foi a necessidade de se pensar em redes para ampliar a relação dos estados com municípios a fim de promover políticas de equidade para a sociedade.

abrasco2010_helder_pinto_boneco.jpgTemos de ampliar ainda o debate da intersetorialidade, pois é algo pouco efetivo no desenvolvimento de ações para isso no país. São poucas as políticas governamentais, apesar do forte discurso existente na comunidade científica, encerrou.

Nenhum comentário para "Abrasco 2010 aponta dilemas e desafios da gestão estadual do SUS"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.