DCB homenageia profissionais que escreveram sua história

Publicada em
 
 
 

banner_52anos.gifEm mais um momento de celebração dos 52 anos da ENSP, o Departamento de Ciências Biológicas (DCB/ENSP/Fiocruz) prestou homenagem a profissionais que ajudaram a escrever sua história, inaugurando três novas placas comemorativas: uma em homenagem ao pesquisador Luiz Fernando Ferreira, fundador do DCB na década de 60; outra para Miguel Alves de Souza, do setor de vetores do Laboratório de Pesquisa e Serviços em Saúde Pública; e a terceira para Altair Quintiliano da Silva, da Central de Esterilização.

O diretor da ENSP, Antonio Ivo de Carvalho, abriu a comemoração falando sobre Luiz Fernando Ferreira, que foi seu professor. Conhecido e admirado por todos, Luiz possui um compromisso cotidiano com a ciência e a vida. Foi, com certeza, o professor que mais me impressionou, elogiou. Quem também reafirma essa admiração é o atual chefe do DCB, Antonio Nascimento Duarte, que acredita que o professor é um exemplo para o departamento por ele fundado.

Em tom descontraído, como é de costume, o pesquisador relembrou os tempos que passou junto aos colegas de trabalho. Luis Fernando Ferreira falou de seu colega homenageado Miguel Alves de Souza, que teve seu nome vinculado ao Setor de Vetores. Para Luiz Fernando Ferreira, Miguel não possuía nível superior, mas ensinou entomologia mais do que qualquer outro na pós-graduação por ele freqüentada.

O momento da retirada do pano que cobria a placa foi de grande emoção para a viúva de Miguel Alves de Souza, Lydia Barbosa de Souza, e seu filho, também pesquisador do DCB, Marcos Barbosa de Souza. Se meu marido estivesse aqui ele estaria muito feliz. A homenagem foi bastante merecida e espero que muitos ainda possam ter o mesmo merecimento que ele, disse Lídia de forma grata, e ainda contou um fato curioso. Essa noite eu sonhei com o Miguel e junto ao sonho apareceu o número onze, que é número da sala que leva seu nome, e eu nem sabia, se emociona.

A última placa descerrada foi a da Central de Esterilização Altair Quintiliano da Silva, que leva o nome da técnica, afetuosamente chamada de Taíca. Aprendi que não existe pesquisa e avaliação bem feitas se não houver lavagem e esterilização bem feitas. Ninguém melhor que Altair para representá-lo. Lembro que ela nos recebia com palavras de ternura, carinho e estímulo, conta Antonio Nascimento Duarte, chefe do DCB.

Altair Quintiliano trabalhou desde a inauguração do departamento e lutou, ao sofrer de câncer, como se não estivesse doente. É o que conta suas filhas, Lindinalva e Jocerlan Quintiliano, que participaram do descerramento da placa. Ela era a grande mãe de todos. Nunca quis morrer. Sabia que estava doente, mas não perdia a alegria. Eu agradeço às homenagens, os pesquisadores e a todos que compartilham da nossa alegria, concluiu Lindinalva.

Nenhum comentário para "DCB homenageia profissionais que escreveram sua história"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.