Abordagem e cobertura do PSF são discutidas em Comunicação Coordenada

Publicada em
 
 
 

vinhetaabrasco.jpgA abordagem, a cobertura e a abrangência da atenção básica através de programas como o PSF foram os principais temas da Comunicação Coordenada Avaliação da Atenção Básica, conduzida pela pesquisadora da ENSP, Célia Almeida, na quinta-feira (24/08), no quarto dia do 8˚ Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva e do 11˚ Congresso Mundial de Saúde Pública, realizado no Riocentro, no Rio de Janeiro. Fizeram parte do debate, Juvenal Soares Dias da Costa, da Universidade do Vale do Rio Sinos, Rosana Aquino Pereira, do Instituto de Saúde Coletiva da UFBa, e as pesquisadoras da ENSP, Lílian Grace Moura de Lucena e Maria Helena de Mendonça.

Lílian de Lucena, médica do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria, da ENSP (CSEGSF/ENSP), apresentou o estudo que realiza sobre a demanda livre de atendimento no Parque João Goulart, no entorno da Fundação Oswaldo Cruz. Ela explica que esse tipo de serviço é realizado quando pacientes recebem tratamento sem um pré-agendamento, pois, na maioria dos casos, essas consultas estão relacionadas apenas com a renovação de receitas e a avaliação de resultados de exames e, portando, não necessitam de pronto atendimento. De acordo com a pesquisadora, essas necessidades poderiam ser agendadas, o que implicaria uma melhor atenção nos casos de maior gravidade.

Maria Helena falou sobre Escolhas Metodológicas e Combinação de Métodos na Pesquisa Avaliativa sobre a Atenção Básica e estratégia da Saúde da Família. A pesquisadora trabalhou com 2291 prontuários para avaliar o atendimento realizado com pacientes de câncer de colo uterino. Como resultados, ela enfocou a necessidade de uma atenção maior à mulher em sua fase reprodutiva e o desafio de investir em instrumentos e métodos de registros.

No fim, Rosana Aquino expôs uma avaliação sobre a efetividade do Programa de Saúde da Família. A convidada investigou a cobertura do PSF em todos os municípios que ele abrange, no período de 98 a 2004. Sua pesquisa encontrou resultados promissores, que apontam a melhora do programa com o passar dos anos. Em 98, a cobertura do PSF era distante e, em 2004, melhorou bastante. Porém, percebemos que a consolidação do programa é maior em grandes municípios. É preciso ressaltar que a cobertura também implica um melhor conhecimento e processo de implantação do programa, concluiu.

Nenhum comentário para "Abordagem e cobertura do PSF são discutidas em Comunicação Coordenada"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.